segunda-feira, 22 de março de 2010

Bangu Vice-Campeão Carioca 1964


Bangu Vice-Campeão Carioca 1964

Em pé: Fidélis, Ubirajara, Mário Tito, Luiz Alberto, Nilton dos Santos e Ocimar;
Agachados: Paulo Borges, Bianchini, Parada, Roberto Pinto e Vermelho.

Equipe do Bangu no Maracanã. Destaque para Paulo Borges, autor de um dos gols corinthianos da quebra do tabu em 1968, contra o Santos.

2 comentários:

  1. Eu era criança no interior de SP, de calças curtas, quando nesta época acompanhava assíduamente pelo rádio o futebol de SP e RJ.
    Me lembro de ter ouvido uma partida do Bangu, depois outra e outra, ele sempre ganhando.
    Embora eu fosse (e sou) torcedor do SPFC, passei a ter uma admiração gratuíta pelo Bangu, principalmente porque ele sempre ganhava, nesta época, de Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco (mas quase sempre perdia para Olaria, Madureira, São Cristóvão e América...).
    Em 1965 ou 66 fui ao Rio com meu pai, que me levou ao Maracanã.
    Assisti a um jogo do Bangu contra um time pequeno que eu nem me lembro. Foi 4 ou 5 a zero.
    Mas lembro, ainda maravilhado, do meio-de-campo e do ataque do Bangu : Ocimar e Roberto Pinto; Paulo Borges, Bianchini, Parada e Aladim.
    Bem, resumindo, jamais deixei de torcer pelo São Paulo, não troquei o SPFC pelo Bangu, mas me recordo com imensa saudades daquele Bangu que hoje não mais existe.
    Era um futebol profissional sim, mas diferente de hoje : V. decorava a escalação dos times pois elas duravam anos.
    Ocimar e Roberto Pinto foi no RJ o que Dudu e Ademir da Guia foi em SP.
    Bons tempos do velho futebol !
    Paulo Sérgio Pecchio
    Bairro do Campo Belo - SP

    ResponderExcluir
  2. Ao Paulo Sérgio,
    Parabéns, um depoimento magnífico, do coração mesmo ! Esta emoção e esta sensibilidade é que fazem o futebol brasileiro ser, ainda, vibrante.
    Fiquei emocionado ao ver como uma pessoa, que em criança, la´no interior de Sp, desenvolveu um amor gratuito por um clube quem nem era o dele e até hoje perdura, mesmo confessando que sempre foi torcedor do São Paulo FC.
    Um depoimento emocionante, sincero, que se algum dirigente de bom senso e também de coração do Bangu ler um dia, deveria transcrever em pedra e chamar esta pessoa para ser homenageada !
    De novo, parabéns, Paulo Sérgio, pela carinhosa e sensível emoção que certamente seu texto passa a todos que o leem.
    Luis Campos de Almeida Veiga
    RJ

    ResponderExcluir